29 de março de 2019

Férias - Eu pelo mundo, um pouco do mundo por mim - Copenhagen

Oi Pessoal, tudo bem? Muito tempo sem passar por aqui mas é que a vida anda muito corrida e só agora, quando finalmente tive férias estou conseguindo dedicar um tempinho a passar aqui para conversar com vocês!
Falando em férias, esse é o assunto do post que eu quero dividir com vocês hoje: Os lugares que conheci nessa última viagem. Vou dividir o assunto em algumas postagens para não ficar muito grande e também para agrupar as regiões da mesma forma que eu fiz quando estava planejando o roteiro.

Já há alguns anos meu marido, eu e um amigo sempre tiramos férias juntos, esse ano nosso amigo não pôde nos acompanhar então fomos apenas nós dois misturando um clima de romance e aventura rs

Nós iniciamos e terminamos a viagem por Amsterdã e aqui já paro para dar uma dica muito importante: Organize todos os seus documentos de forma clara para qualquer solicitação na imigração. Leve tudo impresso, nada de contar com mostrar a tela do celular para o policial! Tenha o dinheiro (ou cartões e comprovantes de que você tem dinheiro para se manter) separado  numa bolsa segura e de fácil acesso nesse momento (uma doleira por exemplo). E mais importante: Se algo sair diferente do planejado, mantenha a calma, afinal você está apenas querendo passear.

A viagem Rio-Amsterdã não foi nada agradável, definitivamente sempre que eu puder escolher não faço mais voos pela KLM. Opinião pessoal de quem viajou de classe super econômica, mas como nesse momento nosso objetivo era apenas chegar a Europa, reservamos um hotel próximo ao aeroporto onde descansamos antes de iniciar nossa jornada pelas capitais da Escandinávia. Obviamente não pudemos evitar de sair para tomar umas cervejinhas pela cidade.


Na história, a Escandinávia é a terra dos vikings, e segundo muitas fontes da internet, é uma região  que abrange, no sentido mais estrito, a Dinamarca, a Suécia e a Noruega. Num sentido mais amplo, o termo pode também abranger a Finlândia, as ilhas Feroe e a Islândia. Nós passamos dessa vez pelas capitais da Dinamarca (Copenhague), Noruega (Oslo), Suécia (Estocolmo) e da Finlândia (Helsinque), ficamos duas noites em cada local, saindo sempre no meio do dia o que nos dava uma noite, um dia inteiro e uma manhã para conhecer o local. Nossa, não é pouco? Depende do tipo de passeio que você costuma fazer. No caso específico dessa viagem nós escolhemos cidades cujos pontos principais eram pequenos, e não temos o hábito de ir a festas ou coisas do tipo, nós fazemos aquele passeio bem turistão mesmo e, quando gostamos muito de um local nós voltamos em outra oportunidade. Para nós funciona bem, e foi assim que voltamos a Amsterdã e dessa vez ficamos mais de duas noites lá para aproveitar além do básico turista (que já havíamos feito em outras viagens).


Copenhagen, a terra da Pequena Sereia (não das lojas de chocolate)

A capital da Dinamarca é a maior cidade do país e é a terra do famoso escritor de histórias infantis Hans Christian Andersen. Ele escreveu Pequena Sereia, Roupa Nova do Rei e Soldadinho de Chumbo.
A cidade é cheia de pontos turísticos e por ser pequena é possível conhece-la toda a pé, por esse motivo não temos muitas dicas de transporte público, mas nós o utilizamos para ir do aeroporto ao hotel e voltar e foi super tranquilo. Muito bem sinalizado. A compra dos tickets é feita em máquinas espalhadas pelo saguão do aeroporto (ou nos pontos de metrô da cidade) e pode pedir informação, embora o idioma oficial seja o Dinamarquês muita gente fala inglês e tem muita boa vontade em ajudar.
Como nós chegamos na cidade na parte da tarde fomos direto para o hotel deixar as malas e começar o passeio. Uma coisa muito diferente que ainda não havia experimentado na Europa foram os self-checkins estilo de aeroporto: você se dirige até uma máquina onde faz o cadastro do passaporte, pagamento e valida a chave. Na hora de ir embora basta deixar a chave numa caixinha e tchau.

A noite do primeiro dia passamos no Tivoli Park. Inaugurado em 1843 o Tivoli é o segundo mais antigo parque em funcionamento no mundo. Só pela beleza do local o parque já merece um tempo para ser visitado, somando a isso o fato de ser um local cheio de brinquedos para todos os gostos eu posso dizer já de cara que foi o ponto alto da minha estadia (eu amo parques de diversão, não era de se esperar outra coisa vindo de mim). 
Você pode optar por comprar o ingresso de visita ao parque e caso tenha interesse, pagar individualmente os brinquedos ou (nosso caso) comprar um passaporte para usar todos os brinquedos. Um detalhe é que mesmo com o passaporte existem algumas opções nos brinquedos que são pagas a parte. 


Ficamos no parque até o encerramento das atividades e então voltamos para o hotel para descansar. Tivemos problemas para encontrar algo para lanchar nesse dia, por não ser alta temporada muitos restaurantes estavam fechados. Optamos por comer na lanchonete do hotel, mas não foi uma decisão feliz, as opções eram poucas e não muito boas. Mas a gente precisa passar os perrengues pra aprender.



No segundo dia levantamos cedo e saindo andando pela cidade, andamos um total de 15 km a pé passando pelos pontinhos turísticos que havíamos marcado no mapa que pegamos no hotel. O objetivo do dia era chegar até a estátua da Pequena Seria (aquela da foto la em cima). Mas pelo caminho deu tempo até de entrar em um museu.

Os pontos que me marcaram mais nessa viagem foram (além do Tivoli), o Nyhavn que é uma região do porto com um lindo canal com barcos e belos edifícios coloridos nas margens. Há possibilidade de fazer um passeio de barco pelos canais, que dura uma hora. Não fizemos pois no dia que estávamos na cidade os horários eram muito restritos e tiraria nosso objetivo de conhecer a cidade a pé. Eu gostaria de postar uma foto que representasse a beleza do lugar, mas infelizmente as que tirei com meu celular ficaram péssimas e as fotos da câmera estão passeando por aí (longa história), mas assim que eu tiver com elas em mão eu atualizo o post.

Outro ponto lindo que achei foi a igreja de mármore conhecida como Frederik’s Church e que levou dois séculos para ser construída (imagina que quem patrocinou essa obra nunca viu ela pronta rs). A entrada para visitação é gratuita. 



Continuamos andando pela cidade até chegar à região do Kastellet, que é um enorme forte construído em formato de pentagrama, não é possível visitar o interior do Kastellet, mas o local rende um agradável fim de tarde com lindas fotos. E claro ao final do passeio podemos ver de perto a Little Mermaid.



Acho que já falei bastante, é obvio que deu pra fazer muito mais coisa além do que mostramos nesse post, incluindo nosso pit stop padrão no Hard Rock Café (somos viciados, se a cidade oferece, SEMPRE vamos #mejulguem).

Quem acompanhou no meu instagram pessoal (@kathy_deangeli) pôde ver várias dicas em tempo real, pois estávamos acompanhados do chip da easysim4u. Gente, recomendação a parte, ajuda muito e funciona muito bem!

Ah, pra fechar o post deixa eu mostrar uma coisa que não deveria ser um choque de cultura, mas infelizmente foi. Olha como as bicicletas ficam na cidade: Livres e Felizes, sem correntes!


Desejo que vocês possam ter essa experiência de vida no local que vocês moram, mas se já quiserem apressar, espero que possam conhecer uma cidade como Copenhagen, e se precisarem de ajuda com informações, estou a disposição.

Semana que vem voltamos para conhecer um pouquinho da Finlândia.



2 comentários

Seu comentário é muito importante para o blog! Pois graças a ele, sabemos o que vem achando dos nossos posts. Se chegou até aqui para comentar, já agradecemos o seu carinho! Ah... E volte sempre! ♥