2 de dezembro de 2017

Gelo Negro por Becca Fitzpatrick

Autora: Becca Fitzpatrick
Editora: Intínseca
Ano: 2015
ISBN: 9788580577228
Páginas: 302
Classificação:  
Britt Pfeiffer passou meses se preparando para uma trilha na Cordilheira Teton com a melhor amiga, mas não estava pronta para enfrentar a violenta nevasca que as pegou de surpresa no caminho. Ao procurar abrigo em uma cabana isolada, elas conhecem dois homens atraentes dispostos a ajudá-las. Pelo menos é isso o que as duas acham. Criminosos foragidos, eles as fazem reféns. Para se salvar, Britt vai ter que ajudá-los a fugir em segurança, apesar do frio e da neve. Mas, durante a arriscada jornada em meio a natureza selvagem, o que de início é ameaça pode se tornar a salvação.

Como acho que a sinopse fala o suficiente sobre a história sem revelar demais, já vou começar com o que achei do livro.

Eu sou uma grande fã da Becca desde a série Hush Hush (que está toda resenhada aqui no blog), e quando soube do lançamento deste livro fiquei enlouquecida para lê-lo o quanto antes. Claro que acabei demorando muito mais tempo do que eu pretendia para iniciar a leitura (como sempre por conta da enorme quantidade de livros que ainda tenho para ler), mas enfim consegui.

Pois bem, num geral, posso dizer que para mim, foi uma grande decepção mesmo com a nota de três estrelas, ou seja, bom. Talvez a culpa tenha sido minha por ter ido com muita cede ao pote e com a expectativa altíssima já que Hush Hush não decepcionou em nenhum momento, mas posso dizer que dei de cara no chão com Gelo Negro.

30 de outubro de 2017

PROVENCE POR BRIDGET ASHER

Autor(a): Bridget Asher
ISBN: 9788581637600
Editora: Novo Conceito
Ano: 2017
Número de Páginas: 368
Classificação:       
“Eis uma forma de colocar a questão: a perda é uma história de amor contada de trás para frente... Toda boa história de amor guarda outra história de amor escondida dentro dela.”A vida de Heidi com o fi lho tornou-se um jogo para manter viva a memória de Henry, bom pai e marido exemplar. Manter uma vida normal em um mundo em que Henry não existe mais está cada dia mais difícil. Heidi precisa lidar com o fi lho que se tornou um verdadeiro maníaco por limpeza e com a sobrinha Charlotte, uma adolescente problemática.Uma casa em Provence, na França, que pertence à família de Heidi há gerações, é rica em histórias de amor e surpreendentes coincidências. Heidi e sua irmã mais velha, Elysius, passavam os verões lá quando crianças, junto com a mãe. A casa, as lembranças e os segredos de Provence haviam fi cado para trás, mas agora, com o incêndio que atingiu a propriedade, a casa precisa ser salva por Heidi. Ou será que é Heidi quem precisa ser salva pela casa? Uma história de recomeço, amor e esperança perante a perda, em que uma pequena casa na zona rural do sul da França parece ser a responsável por curar corações partidos há anos.

Esse livro literalmente foi julgado pela capa (embora mamãe tenha me ensinado que isso é muito feio de se fazer) e acreditem, eu não estava errada: ele é lindo! Ficou curioso? Vem que eu te conto.

30 de agosto de 2017

O dia que conheci a Eslovênia...

E estou de volta para mais um post sobre a minha última eurotrip, e agora é a vez do lugar que é puro amor: Bled na Eslovênia.
Vista do alto do lago Bled

19 de agosto de 2017

Minha Viagem para Ibiza no Verão...

Como prometido, volto para dividir com vocês a eurotrip que fiz neste último mês de julho... Verão europeu.

Este foi o quarto ano seguido que viajei para a Europa, pois por mais que eu sempre prometa a mim mesma a cada ano que viajarei para um lugar que não seja a Europa, alguma força maior do universo me puxa de volta para lá. Juro que é algo muito mais forte do que eu rs, afinal, minha paixão por lá e minha vontade de conhecer os países que ainda não conheço sempre me deixam louca para voltar de novo e assim sempre volto.

Eu ainda não havia conseguido viajar para lá no verão. Tinha ido duas vezes no inverno e mais duas na primavera e sempre quis ir na alta temporada por ouvir falar que o verão europeu era uma das melhores coisas que se poderia viver na vida e digo uma coisa: é de fato uma das melhores coisas (se não a melhor de todas) que você viverá na sua vida. Muita gente linda, animada, querendo festa, praia, azaração... Como não ser o melhor verão? Pois bem... Então vamos ao post do lugar que mais marcou a minha viagem: Ibiza!

Praia de Cala Comte

14 de agosto de 2017

Minha viagem para a Croácia no Verão...

E depois de um tempinho sumida eis que estou de volta! Mas antes quero que saibam que tem um motivo bom para esse sumiço todo: Durante todo o mês de julho estive na Europa vivendo o melhor verão da minha vida (digo isso sem medo desta afirmação) e por conta disto o blog ficou sem posts. Mas a boa notícia é que agora irei dividir com vocês todo o meu roteiro e todo o meu sonho de verão com muitas festas, praias, mais festas e mais praias rs...

Decidi iniciar as postagens desta minha última eurotrip falando da Croácia por ter sido o local que eu passei mais tempo. Foram 12 dias no total que ficaram divididos da seguinte forma:

Cheguei na Croácia por Dubrovnik. Uma cidade com pouco mais de 40 mil habitantes, mas o que não falta são opções quando a dúvida é o que fazer por lá. Não é à toa que é a cidade mais visitada da Croácia, e como se trata de um lugar que ainda carrega traços medievais, acaba também servindo de cenário para as gravações da maravilhosa e esplêndida série Game Of Thrones. Eu sou absolutamente louca por esta série, logo já dá para imaginar que fiquei que nem pinto no lixo, pois além da cidade ser lindíssima, pude estar nos exatos locais que algumas cenas super marcantes da série foram filmadas. A alegria era tanta que deu até uma vontade de chorar (sou chorona rs) e costumo chorar de alegria com certa frequência rs. Detalhes pessoais a parte, vamos entrar em alguns outros detalhes mais importantes... Lá, eu e meus amigos ficamos hospedados em um apartamento que achamos no booking.com e a localização era de encher os olhos. Tínhamos toda a visão da Cidade Velha - A Velha Dubrovnik é uma cidade medieval amuralhada, declarada Patrimônio da Humanidade pela UNESCO. É no cenário formado por suas ruas e casas de pedra que acontece todo o burburinho da cidade. São dezenas de lojas, restaurantes, bares, museus e igrejas. Além de estarmos a cinco minutos de distância a pé.

Antes de escolher o local para ficarmos hospedados por lá, pesquisei bastante sobre onde seria legal ficar, e noventa e nove porcento dos blogs diziam que o ideal era ficar hospedado fora da Cidade Velha mas perto o bastante dela, por se tratar de um lugar bem complicado para os viajantes que chegam cheios de mala devido a estrutura das ruas e pela infinidade de escadarias (e haja escadaria!). As vezes precisávamos parar no meio da subida por que era um tanto tenso rs. Logo, com esta informação, achamos este apartamento maravilhoso, com um conforto incrível e mais perto da Cidade Velha impossível!

A foto abaixo foi tirada da sacada do AP que ficamos hospedados com a Cidade Velha ao fundo...